Blog

riscos das apis

Quais são os principais riscos das APIs?

Por que os riscos e ameaças à segurança da API estão aumentando? Com a ascensão dos microsserviços e a necessidade de criar mais aplicativos com mais rapidez, as APIs estão sendo usadas mais do que nunca para conectar serviços e transferir dados. Mas com um número crescente de “peças” de aplicativos menores tentando se comunicar umas com as outras, os riscos das APIs (próprias e de terceiros) estão se tornando cada vez mais desafiadores.

Os ataques cibernéticos tornaram-se comuns nos noticiários, com corporações multinacionais nas manchetes por conta da falta de atenção aos riscos das APIs.

Essas violações de dados podem levar a multas, litígios e – possivelmente o pior de tudo – danos à reputação da marca. Basta um vazamento de dados para que a marca sofra danos irreparáveis.

Os riscos das APIs

À medida que mais empresas desenvolvem Interfaces de Programação de Aplicativos (APIs), aqueles que gerenciam riscos precisam entender os problemas que as APIs apresentam aos negócios. Os que se prepararem para lidar com os riscos das APIs poderão enfrentar melhor os desafios de segurança cibernética.

Conheça três pontos significativos de risco das APIs:

  1. Riscos de codificação

O risco mais básico é a má prática de codificação que leva a explorações por agentes mal-intencionados. O código mal projetado ou escrito pode ser uma bomba-relógio escondida em seu aplicativo.

  1. Gestão de ativos

Você sabe quantas APIs disponíveis publicamente sua empresa implanta? Você conhece todos os seus endpoints e como acessá-los? Muitas empresas estão vendo o número de APIs explodir à medida que adicionam mais funcionalidades a um aplicativo. Não é incomum ver centenas de microsserviços implantados, cada um com um endpoint de API usado para se comunicar com outros componentes. “Shadow APIs”, ou APIs criadas sem supervisão ou aprovações adequadas, são perigosas se ninguém souber que elas existem. Os endpoints e domínios de teste restantes podem estar disponíveis publicamente sem o conhecimento de responsáveis.

  1. Exposição excessiva de dados

A exposição de dados ocorre quando as APIs retornam muitos dados ao cliente. Cada cliente deve receber apenas os dados necessários para desempenhar sua função. Caso contrário, outra vulnerabilidade pode ser agravada pela exposição de PII ou outros dados confidenciais.

Como se livrar dos riscos das APIs

Agora, veja como garantir a segurança das APIs:

  1. Identificar vulnerabilidades

A única maneira de proteger efetivamente as APIs é saber quais partes do seu ciclo de vida são inseguras. É claro que é mais fácil falar do que fazer, especialmente à medida que o uso de APIs aumenta na organização. É importante considerar todo o ciclo de vida da API, incluindo manutenção e desativação.

  1. Aproveite o oAuth

Um dos aspectos mais importantes da segurança da API é o controle de acesso para autenticação e autorização. Uma ferramenta poderosa para controlar o acesso e riscos das APIs é o oAuth, uma estrutura de autorização baseada em token que permite que as informações sejam acessadas por serviços de terceiros sem expor as credenciais do usuário.

  1. Use tokens

O uso de tokens, em geral, é uma boa prática recomendada de segurança de API. Os desenvolvedores podem usar tokens atribuídos a identidades como uma maneira relativamente simples e eficaz de estabelecer identidades confiáveis ​​e controlar o acesso aos serviços.

  1. Criptografar dados

Todos os dados, especialmente os dados de identificação pessoal, devem ser criptografados usando um método como o Transport Layer Security (TLS). Os desenvolvedores também devem exigir assinaturas para garantir que apenas usuários autorizados possam descriptografar ou modificar dados.

  1. Use limitação de taxa

À medida que a popularidade das APIs aumenta, também aumenta o perímetro. As APIs são o principal alvo para ataques DDoS, por exemplo. Para evitar ataques DDoS, bem como picos de API e outros problemas que afetam o desempenho e a segurança, coloque limites de taxa sobre como e com que frequência sua API pode ser chamada. A limitação de taxa também pode limitar as conexões, equilibrando o acesso com a disponibilidade.

  1. Use um gateway de API

Os gateways de API atuam como o principal ponto de aplicação do tráfego de API. Um bom gateway permitirá que as organizações autentiquem o tráfego, bem como controlem e analisem como as APIs são usadas.

  1. Adote um modelo Zero Trust

No modelo de segurança de perímetro, o que está “dentro” é confiável e o que está “fora” não é confiável. A rede não é mais tão simples, e é por isso que um modelo Zero Trust (ZTM) faz sentido, especialmente com usuários remotos. Com um ZTM, o foco de segurança muda da localização para usuários, ativos e recursos específicos.

  1. Valide os parâmetros

A validação de parâmetros ajudará a garantir que os dados recebidos não causem danos. Nesta estrutura, todos os dados recebidos são validados em um esquema estrito que descreve as entradas permitidas para o sistema.

  1. Desenvolva um modelo de ameaça

A modelagem de ameaças é uma abordagem estruturada para identificar e avaliar riscos das APIs. Os modelos de ameaças são mais bem usados ​​como medida preventiva, mas também devem ser considerados como um ciclo contínuo para avaliar, mitigar e prevenir vulnerabilidades de aplicativos de maneira automatizada e controlada.

Se você quer saber como podemos ajudar a manter sua empresa longo dos riscos das APIs, solicite uma demonstração. Entre em contato com os especialistas da Evolutia.

A transformação começa agora.