Blog

gateways de API

Gateways de API x WAF x segurança de APIs: entenda a diferença

As APIs revolucionaram a computação em nuvem, tornando mais fácil do que nunca a comunicação entre diferentes tecnologias, trazendo assim um enorme valor para os usuários ao conectar diferentes soluções cloud. Desde que seu uso passou a se intensificar, inúmeras soluções e ferramentas surgiram para administrar as APIs, como os gateways de API. Ao mesmo tempo, os WAFs surgiram como uma (possível) promessa de segurança para as APIs – cumprindo a sua função apenas em parte.

As APIs — por design — dependem de organizações que provisionam endpoints expostos à Internet que retornam dados e serviços do usuário em resposta a consultas direcionadas. Sem uma segurança de API robusta, essa estrutura se torna um alvo atraente para hackers que podem tentar explorar a API para obter dados diretos não autorizados ou até mesmo usar os dados que ela retorna para tentar fazer engenharia reversa do aplicativo principal.

O uso de APIs por hackers incluem diversas técnicas, desde ataques direcionados a sites (como metodologias de força bruta destinadas a suprimir a disponibilidade de API para usuários legítimos) até tentativas de realizar ataques por inundação.

Neste artigo, explicaremos as diferenças entre três ferramentas de segurança diferentes que podem proteger várias partes da presença online de uma empresa: WAFs, gateways de API e plataformas de segurança de API. Cada vez mais, todos esses três componentes são considerados essenciais na estratégia de proteção de APIs, trabalhando em diferentes níveis do modelo TCP/IP.

O que fazem os gateways de API?

Os gateways de API são projetados para lidar com autenticação e autorização de solicitações para acessar uma API. Essas soluções funcionam no nível da rede, e são projetadas para lidar com as requisições de dados específicas para APIs.

Em uma arquitetura de rede típica, os gateways de API são colocados imediatamente antes dos endpoints de API — servindo como pontos de controle de acesso. As principais funcionalidades do gateway de API incluem:

Regras baseadas em IP de origem, como listas de permissões e listas de bloqueio. Os gateways podem funcionar junto a listas de IPs de terceiros associadas a agentes de ameaças estabelecidos e emergentes. Mais amplamente, eles podem ser usados ​​para implementar regras do tipo firewall projetadas para bloquear o acesso de geolocalizações específicas.

Limitação de taxa projetada para distinguir entre o uso normal da API e aquele originado por bots não autorizados. Normalmente, eles aplicam algum tipo de limite de taxa baseado em GET que pode ser usado de forma sensata para distinguir entre humanos e aplicativos legítimos e aqueles que fazem uso ilícito da API, como tentar usá-lo para extrair ou coletar dados do usuário.

Os gateways também podem ser usados ​​para roteamento e gerenciamento de tráfego — em outras palavras, para balancear a carga de solicitações de API recebidas para diferentes endpoints. Este propósito claramente não está relacionado à segurança.

As APIs precisam de proteção WAF?

Os WAFs (Web Application Firewall) formam mais uma camada de proteção às APIs. Os WAFs protegem os ativos da web — incluindo APIs — contra tráfego malicioso originado de fora da rede local.

Em relação aos gateways de API, os WAFs destinam-se a fornecer controles de segurança mais avançados do que a lógica simples baseada em regras. Em vez disso, os WAFs são firewalls de segurança essenciais para qualquer organização que opere infraestrutura online voltada para o público – o que, atualmente, é a maioria das empresas.

Os WAFs podem fornecer os seguintes recursos adicionais que os gateways geralmente não incluem:

Detecção de ataques conhecidos

Os WAFs podem identificar ataques lógicos de ameaças já conhecidas – como malwares, por exemplo.

Detecção de solicitação malformada/anormal

No contexto da segurança da API, essa funcionalidade do WAF pode ser aproveitada para distinguir automaticamente entre solicitações de API legitimamente analisadas e aquelas destinadas a servir a propósitos ilícitos, como coleta de dados do usuário ou de roubo de dados da rede.

Automação antibot

A automação antibot tem a capacidade de distinguir agentes de usuário legítimos de bots ou componentes de botnet.

Em linguagem mais simples: o gateway da API fornece controle básico do ponto de acesso ao endpoint da API, garantindo que aqueles que o acessam provavelmente sejam usuários legítimos e/ou credenciados. Os WAFs, por outro lado, são orientados à segurança.

Como as plataformas de segurança de APIs se encaixam nesse cenário?

As plataformas de segurança de APIs vão funcionar fazendo o monitoramento e atuando na orquestração de ações de remediação voltadas à proteção das APIs. Plataformas de segurança de APIs, como a Noname Security, oferecem as seguintes funcionalidades:

  • Descoberta das propriedades das APIs
  • Análise de vulnerabilidades e configurações incorretas de segurança da API
  • Detecção de anomalias de segurança da API de tempo de execução
  • Ferramentas de correção com a capacidade de corrigir anomalias do sistema detectadas
  • Capacidade de integração com o SLDC para APIs para evitar que novas vulnerabilidades sejam colocadas em produção
  • Integração total com outras ferramentas, como WAFs, gateways de API e balanceadores de carga.

Em suma, uma plataforma de segurança de APIs pode ser considerada o orquestrador que permite que a equipe de segurança garanta que todos os componentes da infraestrutura de proteção da API estejam funcionando em harmonia.

Como escolher a melhor ferramenta de segurança de APIs?

Em um cenário de ameaças simples, as APIs precisariam de medidas básicas de segurança, como listas de controle de acesso projetadas para garantir que apenas atores legítimos tenham acesso aos endpoints.

Infelizmente, esse tipo de cenário de ameaças não existe mais. Na medida em que as APIs continuam a ganhar importância no mundo interconectado da computação em nuvem, as APIs se tornam cada vez mais atraentes como alvos para agentes mal-intencionados. Portanto, são necessárias medidas de segurança multifacetadas projetadas para proteger contra atores hostis internos e externos.

A melhor ferramenta de segurança de API aproveita vários mecanismos de proteção para garantir que as APIs permaneçam tão cuidadosamente protegidas quanto os usuários que tentam direcioná-las. Isso inclui gateways de API que fornecem controle de acesso básico, e WAFs que oferecem proteção holística de segurança de API contra endpoints de API e outros serviços expostos na web. E, finalmente, uma plataforma de segurança de API que une todas as funcionalidades e é especialmente projetada para proteger contra esses novos padrões de ataque.

Conheça a plataforma de segurança de APIs Noname – peça uma demo e saiba como proteger suas APIs em todo o seu ciclo.

A transformação começa agora.